NO AR!

Madrugada da Nov...

Nova Fm

Peça seu sucesso!

OUÇA AGORA!

Hoje, 17 de Janeiro de 2019

Temporais no Rio Grande do Sul danificam 2,7 mil casas em 26 cidades

Chuva, granizo e ventos intensos causaram estragos e duas mortes. Defesa Civil segue fazendo levantamento dos problemas causados pelo temporal.

13 de Junho de 2018 15:30

Aumentou o número de municípios atingidos e de casas danificadas por causa dos temporais que atingiu o Rio Grande do Sul entre segunda (11) e terça-feira (12). Segundo boletim da Defesa Civil emitido na manhã desta quarta (13), são 26 cidades afetadas e 2.780 residências prejudicadas, contra 24 e 2.630 respectivamente, conforme o último informativo.

Chuva e ventos intensos, além de granizo, causaram estragos e duas mortes no estado. As regiões com mais problemas são Serra, Norte e Centro. As principais ocorrências se referem a quedas de árvores e postes, falta de energia elétrica e destelhamentos.

Além disso, 10 pessoas estão desabrigadas (em ginásios ou escolas da cidade) e outras 29 estão desalojadas (em casas de parentes ou amigos).

Os transtornos danificaram estruturas no interior, como igrejas e escolas. Em Araricá, a cerca de 70 km de Porto Alegre, a Escola Francisca Isabel, que atende cerca de 400 alunos do município, foi destelhada e a instituição suspendeu as aulas e antecipou o recesso escolar.

Susto

Moradores relataram medo durante o temporal. O agricultor Elton Lorezon, morador da cidade de Água Santa, lembra que se segurou em uma parede para esperar a ventania diminuir.

"Estava deitado eu e a minha esposa. Daí eu disse: 'vamos levantar, vamos para baixo, no porão que é mais seguro'. Mas em questão de um minuto, não deu tempo. Eu me agarrei em uma parede até passar um pouco. Aí começou a sofá virar para um lado, cama para cá, e depois conseguimos descer", conta.

O caminhoneiro Domingos Favretto, de 57 anos, levou um susto na noite de segunda-feira (11). Ele estava dentro do veículo que foi arrastado e tombou com a força do vento, quando seguia de Tapejara em direção a Coxilha.

"Era um tombo seguido do outro. Ele [caminhão] começou e não parou mais, até parar naquele local", lembra. Ele sofreu escoriações em todo o corpo e está internado no Hospital Santo Antônio, em Tapejara.

Mortes

Em Ciríaco, um homem morreu atingido pela própria casa, que desabou sobre ele. De acordo com a Polícia Civil, a residência foi destruída pelo vento.

O morador José Alves Nunes, de 53 anos, foi socorrido por vizinhos e levado ao Hospital São José, em David Canabarro, mas não resistiu aos ferimentos.

O temporal também causou a morte de uma idosa em Sarandi. Segundo a polícia, Rita Didomenico, de 70 anos, estava em casa junto com a família na Linha Águas do Angico, interior da cidade, quando a tempestade começou, por volta das 3h.

Parte da família buscou refúgio dentro de um carro, mas Rita, que era cadeirante e tinha necessidades especiais, não conseguiu sair a tempo. Ela foi atingida pelo desabamento da casa. Embora tenha sido socorrida, a mulher chegou sem vida ao hospital.

Falta de luz

O número de consumidores sem energia elétrica chegou a passar de 100 mil no estado por causa do temporal. Agora, segundo as concessionárias RGE e RGE Sul, cerca de 49 mil clientes estão sem luz, desde a noite de segunda (11).

Na área de concessão da RGE, são 20 mil e na RGE Sul, 29 mil. Ainda não há previsão para retomar o serviço por completo.

Doações aos atingidos

No fim da manhã de terça (12), o governador do estado convocou uma reunião com representantes das secretarias das áreas mais afetadas pelo temporal para reforçar a estratégia de ação e atender quem precisa de ajuda.

José Ivo Sartori (MDB) disse que Defesa Civil, Brigada Militar e Corpo de Bombeiros estavam preparados para socorrer as regiões atingidas pelo temporal, inclusive com a distribuição prévia de lonas. No entanto, ele destacou que os problemas foram maiores do que o esperado.

Como os estoques da Campanha do Agasalho ainda estão muito baixos, a Defesa Civil faz um apelo pedindo doações às famílias afetadas.

"Só o governo e os municípios sozinhos, sem a solidariedade das pessoas, não venceremos as dificuldades que estão aí", disse o governador.

As doações podem ser entregues na sede da Defesa Civil de cada município. Roupas, calçados, cobertores, colchões, produtos de higiene pessoal, alimentos não perecíveis e água são os itens prioritário.

"Com a chuva que veio junto com vendaval molharam todas as roupas e destruíram alimentos. Para isso eu gostaria de fazer um apelo, como já também referiu o governador. Nós estamos em plena Campanha do Agasalho, e a solidariedade do povo gaúcho, que já foi demostrada em várias oportunidades, nesse momento vai ser muito importante", completou o coronel Alexandre Martins de Lima, coordenador da Defesa Civil Estadual.

Fonte: G1 RS

Recomendar correção

CORREÇÕES

voltar