NO AR!

Ligou Tocou

Everton

Peça seu sucesso!

OUÇA AGORA!

Hoje, 14 de Dezembro de 2017

Estado Islâmico ameaça fazer um ataque cibernético global nesta sexta-feira

Grupo extremista perde espaço territorial e aposta em ameaças cibernéticas

07 de Dezembro de 2017 16:35

Hackers do grupo extremista autointitulado Estado Islâmico (EI) ameaçaram realizar um ataque cibernético na próxima sexta-feira (8). A ameaça foi
feita em vídeo e apontou que o primeiro país atacado será os Estados Unidos. As informações são do Daily Mail.
O vídeo da ameaça mostra uma voz distorcida falando, em árabe: "O primeiro alvo serão os Estados Unidos, a 'cabeça da cobra'. Serão dias negros
que vocês lembrarão". Logo após essas afirmações, a data 8/12/2017 é mostrada. "Iremos penetrar os sites de governos, empresas e de instituições
militares", completa a voz. O grupo que fez a ameaça se autointitula "Electronic Ghosts" e se uniu ao Estado Islâmico em 2016.
Raphael Gluck, um especialista em monitoramento online de grupos jihadistas como o EI, afirmou que, apesar da ameaça assustar, não há motivos
para pânico. "Com exceção de hackers como o falecido Junaid Hussein, o nível de alcance dos ataques cibernéticos do Estado Islâmico é bem baixo",
pontuou ele. Além disso, Gluck também defendeu que o fato do grupo ter publicado um vídeo avisando a data do ataque traz suspeitas de que a
ameaça não se concretizará, tendo servido apenas para causar medo.
Aumento nos ataques cibernéticos
Oficiais de segurança nacional dos Estados Unidos defendem que as ameaças de ataques cibernéticos por parte do EI serão cada vez mais frequentes
agora que o grupo perdeu forças no Iraque e na Síria. Agora, para inspirar outros ataques ao redor do mundo, os extremistas estariam vendo no mundo
online uma alternativa.
"Infelizmente, não conseguimos enxergar a diminuição dos territórios dominados pelo EI como uma perda na capacidade do grupo inspirar ataques",
afirma Lora Shiao, chefe de Inteligência no Centro Nacional de Contraterrorismo dos EUA. "A capacidade do EI de alcançar simpatizantes através das
redes sociais é enorme e dá ao grupo acesso a um grande número de futuros combatentes", completa.

Fonte: Daily Mail

Recomendar correção

CORREÇÕES

voltar