NO AR!

Show de Bandas

Elizeu

Peça seu sucesso!

OUÇA AGORA!

Hoje, 29 de Junho de 2017

Cunha avalia cenários para fechar delação com ou sem Janot na PGR

19 de Junho de 2017 06:30

Preso no ano passado pela Polícia Federal, na Operação Lava Jato, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) passou a discutir com advogados e familiares possíveis cenários no caso de uma eventual delação premiada.

Oficialmente, a equipe jurídica de Cunha nega a intenção do ex-presidente da Câmara de colaborar com as investigações. Mas o peemedebista tem discutido o tema com um grupo restrito de advogados.

No primeiro cenário, aliados de Cunha afirmam que, após a delação de Joesley Batista, ele quer se colocar como um "trunfo" ou um "ativo" para corroborar as revelações do dono da JBS em relação ao presidente Michel Temer e os principais peemedebistas envolvidos no acordo.

O problema desse cenário, afirmam aliados de Cunha, é que o ex-deputado teme que, mesmo fazendo revelações, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não aceite a proposta de acordo, já que ele transformou Janot em seu principal adversário quando estava na presidência da Câmara.

Para o Planalto, por outro lado, o cenário ideal é que Cunha deixe para depois de setembro a oferta de delação premiada. O motivo: o mandato de Janot termina em setembro e cabe a Temer indicar o substituto.

A ideia do governo é indicar um procurador-geral "anti-Janot", mais alinhado ao Palácio do Planalto.

Além da delação de Joesley, outro fator que fez Cunha passar a considerar a colaboração - mesmo negando oficialmente - é o avanço das tratativas do doleiro Lúcio Funaro com os investigadores.

Segundo o Ministério Público Federal, Funaro e Cunha atuaram juntos em diversos esquemas, como operações na Caixa Econômica Federal.

Na semana passada, Cunha contratou o advogado Delio Lins e Silva, que já fez outras delações na Lava Jato. Mas, ao Blog, o advogado negou ter sido contratado para negociar a delação de Cunha. "Não tenho preconceito, mas não existe tratativa de delação".

Fonte: G1

Recomendar correção

CORREÇÕES

voltar